11ª FENTEPIRA – Festival Nacional de Teatro de Piracicaba


05 de Novembro | Sábado
19h e 21h (2 sessões) | Parque do Engenho Central
CONTRAÇÕES

Grupo 3 de Teatro, de São Paulo
Classificação: 14 anos

CONTRAÇÕES, do dramaturgo inglês Mike Bartlett, retrata de forma cruelmente engraçada as contradições contemporâneas do universo do trabalho. No espaço de um escritório, em uma grande corporação, a funcionária Emma (Débora Falabella) é convocada por sua gerente (Yara de Novaes), que lhe pede para ler em voz alta uma cláusula contratual que proíbe aos funcionários qualquer relação sentimental ou sexual com outro empregado da empresa. Nos encontros seguintes, a gerente, amparada pelo seu poder, exibe diferentes facetas para manipular Emma. Para manter o emprego, a funcionária acaba por expor a sua privacidade, causando danos à sua própria vida.


06 de Novembro | Domingo
19h | Teatro Erotides De Campos - Parque do Engenho Central
MUNDOMUDO

Companhia Azul Celeste, de São José do Rio Preto - SP
Classificação: 14 anos

MUNDOMUDO investiga a relação cultural entre o velho e o novo por meio dos valores difundidos na sociedade contemporânea. Faz uma reflexão sobre tudo o que nós aprendemos como valor, como crença, como cultura, seja numa dimensão maior ou menor, tornam-se nossas origens de referências que irão comandar nossa consciência e esta determinará nosso comportamento.
Um mergulho que fala de homens pequenos aprisionados em um espaço enorme, religados repetidamente pelo jogo estabelecido na convivência e na necessidade um do outro. Jogo compreendido como jogo teatral, cujas regras mantêm-se no seu mínimo e irredutível viger: um início, uma duração, um final, e a repetição de todo o processo em dias sequentes. Se no início está o fim, se a duração arrasta instantes inúteis, se o final só remata pelo cair do pano (ou trapo), deixando sem desfecho a história, não importa, as regras impõem-se, e os personagens, atônitos, submetem-se ao jogo como ao destino.
MUNDOMUDO significa o fim deste jogo, que se mantém como remedo do teatro passado, e vislumbra, na devastação que lhe circunda, formas fantasmagóricas para um teatro futuro.


21h | Centro Cultural Martha Watts
O RIO, A COLINA E O CASARÃO

Coletivo Depirarte, de Piracicaba - SP
Classificação: 14 anos

O Rio, a Colina e o Casarão é um espetáculo baseado no livro “Spoon River Anthology” de Edgar Lee Masters. Quando em 1915 o autor publicou “Spoon River Anthology” o sucesso foi tão grande que se pensava que todos os americanos (exceto os analfabetos) o tinham lido. Foi considerado o livro de poemas mais lido até agora naquele país (e, provavelmente, até hoje uma das coleções de poemas mais conhecidas no mundo). Este ano Spoon River Antology comemora 100 anos. No Brasil o livro nunca foi publicado. Em “Spoon River Anthology” Lee Masters desfolha uma extensa galeria de personagens de uma pequena cidade rural às margens do rio Spoon, retratos estes, porém, tomados sempre como epitáfios: é que é já enquanto mortos que as personagens dos poemas falam de suas vidas, de suas ilusões, de seus segredos, de seus casos amorosos, de seus crimes, de suas traições, de seus conflitos, num tom de inevitabilidade tão lógica quanto absurda, tão humorística quanto filosófica. São tantos atores que se multiplicam em histórias que se entrelaçam. Em xeque estão o público e o privado, a aparência e a essência. Através das confissões dos personagens e de seus epitáfios o espectador também terá a chance de construir junto aos atores o mapa de seus destinos.


07 de Novembro | Segunda-feira
20h | Teatro Erotides De Campos - Parque do Engenho Central
PAIXOEI ou Diários da Floresta

Grupo de Teatro Lux in Tenebris, de São Paulo - SP
Classificação: 12 anos

Tendo como guia e caminho as teorias do teatro épico de Bertolt Brecht, buscamos extrair do livro de Betty as formas da narrativa épica, características dos “Diários da Floresta” em busca da expressão dramatúrgica que tornasse visíveis as várias vozes que compõem os diários. Na montagem vemos a Antropóloga atenta, a desbravadora curiosa que se embrenha nos caminhos da Floresta em busca de costumes arcaicos, a ouvinte de uma mitologia viva, a apreciadora incansável da culinária Suruí, a mulher que deixa seus laços familiares para ir de encontro a um povo até então quase desconhecido. Testemunha do cerco da civilização branca se fechando em torno do território Suruí, vive a invasão cultural que profanou a visão integrada desse povo. Cultura que defende numa época difícil da história política brasileira. A dramaturgia e a direção procuram transferir para a cena, a poética e a paixão de Betty por esse povo em transformação.


08 de Novembro | Terça-feira
15h | Praça José Bonifácio
AS AVENTURAS DO FUSCA À VELA

Grupo Ueba Produtos Notáveis, Caxias do Sul – Rio Grande do Sul
Classificação: Livre

As Aventuras do Fusca a Vela” apresenta uma releitura do clássico Moby Dick. O espetáculo se passa em torno de um ferro velho, onde dois personagens se encontram em uma situação singular, confundindo realidade com fantasia. O velho Ismael conta e experimenta sua história através do seu fusca, transformando o carro em uma embarcação, conduzindo o espectador a viajar com seus delírios, para ver de perto a fúria de uma vingança. O jovem Jonas, nome inspirado no profeta Jonas que foi engolido pela baleia, entra na história ao jogar uma bola contra o fusca e assim chamar a atenção do velho Ismael. Os dois partem em uma surpreendente aventura, com tubarões, sereias, tempestades e a caça movida pelo sentimento de vingança a baleia Moby Dick.


20h | Teatro Erotides De Campos - Parque do Engenho Central
CABEÇA OCA

Cia Talagadá - Teatro de Formas Animadas, de Itapira - SP
Classificação: 14 anos

“Cabeça Oca“ é uma metáfora as atitudes desprovidas de razão. Trata-se de um espetáculo híbrido que, além de bonecos, é concebido por elementos ricos em plasticidade, como também por ações performáticas. Por meio de poéticas visuais, transita entre o real e o imaginário em cenas criadas independentemente, mas, dialogando entre si numa estética influenciada pelo surrealismo e outras vanguardas do século XX, nas quais algumas das maiores adversidades nas relações humanas, tais como a opressão, violência, intolerância, preconceito e alienação são tratados de forma onírica. Assim o existencialismo é inevitável, e neste sentido se estabelece um paradoxo, pois, por meio de um boneco-objeto oco, busca-se resgatar justamente aquilo que o homem foi perdendo em sua existência: a essência.


09 de Novembro | Quarta-feira
15h | SESC - Rua Ipiranga, 155 - Centro
BRINCADEIRA DE POETA

Roma Produções Artísticas, de Piracicaba - SP
Classificação: Livre

Um convite ao mergulho no universo das brincadeiras infantis tão bem exploradas nos poemas de Manoel de Barros. Esta é a proposta do espetáculo Brincadeira de poeta, produzido pela Cia. Roma Produções Artísticas a partir de um projeto desenvolvido pelo SESC Piracicaba durante a programação de férias de Julho de 2015.
No espetáculo Marcio Abegão, Rodrigo Polla e Romualdo Sarcedo representam os três amigos Manoel, Bernardo e Sebastião brincando no quintal de suas infâncias com as diversas “inutilidades”, “resignificando” e “transvendo” o mundo, pois segundo o que o próprio Manoel de Barros dizia, ele tinha “um ermo enorme dentro do olho e uma necessidade de ver as coisas com outros olhos”, fato que o poeta traduzia não saber se “isso é um defeito do olho ou da razão. Se é defeito da alma ou do corpo”.
A peça “Brincadeira de Poeta” foi escrita inspirada no poema “A turma”, o último escrito pelo poeta e já foi apresentada em diversas escolas em 2015 e segue com extensa agenda de apresentações em 2016 dentro deste projeto que convida as crianças a serem poetas, a brincar com as palavras e a preencher os vazios com suas peraltagens.
Uma deliciosa mistura de brincadeiras, música e poesias. Um trabalho sensível, divertido e emocionante. Um encontro de grande importância com a criança que vive dentro de cada um de nós, pois “que a importância de uma coisa não se mede com fita métrica, nem com balanças, nem com barômetros, que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós”.


20h | Teatro SESI - Av. Luíz Ralph Benati, 600 - Vila Industrial
P´S

Trapiá Cia Teatral, de Caicó - RN
Classificação: 14 anos

O espetáculo “P’s” traz para uma vila do sertão nordestino a história de P, jovem que assassina brutalmente alguns de seus familiares. Focando nas intensas contradições do personagem e passando por momentos que vão desde a sua infância até a sua morte, “P’s” procura trazer à tona o homem além do seu ato, não com o intuito de explicá-lo e, consequentemente, diminuí-lo, mas com a vontade única de nos aproximar dele e, com isto, talvez também nos aproximar de nós mesmos.
Transportar esta história real que ocorre originalmente em uma vila francesa no final do século XIX para uma pequena comunidade do sertão nordestino é um dos aspectos mais poéticos de todo o processo.


10 de Novembro | Quinta-feira
20h | Teatro SESI - Av. Luíz Ralph Benati, 600 - Vila Industrial
REVISTA[ME] BRASILIS

Cia D’Vergente de Teatro, de Piracicaba - SP
Classificação: Livre

O Texto livremente inspirado na obra "O Bilontra" de Arthur Azevedo passeia por situações divertidas de uma quase falida Trupe de Teatro que a convite do Rei, chega para divertir os súditos de seu reino. Pautada numa crônica policial de falsificação de um título de Barão a um certo Comendador. As figuras alegóricas Faustino, o Trabalho, Ociosidade, Jogatina e Loteria percorrem entre suborno, fiscais corruptos, políticos indecisos entre outros, o cotidiano da “Corte Venha Ver”, porém as confusões e as verdades de encenação da trupe são tantas que o Rei manda mudar o rumo da apresentação. Com divertidos quadros que se cruzam no decorrer do espetáculo a Cia D`Vergente de Teatro buscou inspiração no Teatro de Revista, gênero que teve seu início em 1859 no Rio de Janeiro e seu ápice com Arthur Azevedo em meados do século XX. A mistura de dança, paródias e teatro, característica do teatro de Revista – sua vertente é o Teatro Rebolado – faz o espetáculo ser colorido e divertido diante da situação política pelo qual o Brasil está passando, referência marcante com os problemas que Arthur Azevedo já escrevia na estreia de seu texto em 1886.


11 de Novembro | Sexta-feira
12 de Novembro | Sábado
20h | Barracão Igrejinha – Parque do Engenho Central
18h | ECA Guarantã – Rua Santa Lídia, 548 no Bairro Areão
MÁ PELE

4NARUAÉ8, de Jacareí - SP
Classificação: 12 anos

MÁ PELE é o encontro da trajetória de quatro crianças, internas do Preventório, na busca de saber como e porque estão internadas e onde estão seus pais e seus irmãos. O espetáculo mostra o anseio de crianças apartadas de seus familiares buscando entender e conhecer suas histórias e identidades.
Construído a partir depoimentos, pesquisas históricas e provocações artísticas através do olhar crítico e sensível dos atores do 4NARUAÉ8 e da direção.


12 de Novembro | Sábado
20h | Teatro Erotides De Campos - Parque do Engenho Central
NADA MENOS QUE MUITO

Carranca Coletivo, do Rio de Janeiro - RJ
Classificação: 12 anos

Diferentes histórias cujo endereço comum é o ser humano contemporâneo, atravessado por neuroses, medos e desejos. Não há ninguém a salvo no cotidiano da cidade.